Congresso de leitura propõe reflexão sobre vozes dissonantes

09/07/2018

O COLE (Congresso Leituras Dissonantes), que acontece a cada dois anos na Unicamp desde 1978, propõe um olhar diferente para a leitura, que ultrapassa os limites da palavra escrita em sua 21ª edição.  O evento é o principal congresso na área de leitura no Brasil.  Os participantes serão convidados a pensar a leitura e a educação a partir do prisma das vozes dissonantes.  

Conheça o COLE: cole-alb.com.br/

Vozes dissonantes são todas as vozes que, de alguma maneira, fazem a nossa língua oficial variar e propõem outra maneira de pensar.  São as vozes, ou línguas, indígenas, africanas e afro-brasileiras.  São as vozes das mulheres, das crianças, dos velhos.  Vozes que vêm sendo silenciadas e invisibilizadas.  As atividades acontecerão entre 10 e 13 de julho, no Centro de Convenções, Casa do Lago e Faculdade de Educação.

A proposta é resgatar um modo de entender a leitura muito próximo de Paulo Freire, em que ela é pensada como uma leitura do mundo e não só a leitura da palavra.  Além de olhar para literaturas dissonantes como a indígena e a feminista, o congresso propõe a escuta de outras formas de expressão presentes na linguagem oral, na linguagem corporal e na relação com o outro, que marcam a escrita, a relação com a palavra e nosso modo de pensar.

As quatro conferencistas mulheres darão o tom do debate.  A poetisa e cantora Déa Trancoso, do Vale do Jequitinhonha, interior de Minas Gerais, abrirá o evento com uma conferência poético-musical.  Ana Godinho, filósofa portuguesa, abordará as variações da língua na conferência “A língua vai para onde ela quiser”.  A formação de professores por meio da escrita biográfica será apresentada por Maria da Conceição Passeggi.  E o debate sobre literatura e feminismo será trazido por Amara Moira, mulher, trans, escritora e doutora em Estudos Literários pelo Instituto de Linguagem (IEL) da Unicamp.

Outro destaque do evento será o debate sobre literatura indígena.  Majoritariamente escrita em português, no caso brasileiro, conta as narrativas das aldeias para os não-indígenas.  Tradicionalmente passadas de geração a geração por meio da linguagem oral, essas histórias ganham tratamento literário e criações nas mãos de escritores indígenas.  Elas nos ensinam sobre o que é ser indígena, o que é viver na floresta, o que é escutar a floresta e o que é estabelecer outra relação com o mundo.  Este debate será conduzido por Daniel Munduruku, escritor indígena e professor visitante da FE (Faculdade de Educação).

A programação inclui ainda mesas redondas, rodas de conversa, comunicações de trabalhos acadêmicos, lançamentos de livros e exposições.  As inscrições podem ser realizadas pelo site ou no local do evento.  Toda a programação da Casa do Lago é aberta ao público.

Confira aqui, a programação: cole-alb.com.br/programacao.html

ENEMEX é a plataforma que te conecta ao saber...

Quer mais conteúdo?    

Visite: www.enemex.com.br/blog

Fonte: Portal da Unicamp

Escreva para nós!  Mande sugestões!  E-mail: comunicacao@enemex.com.br

Notícias mais lidas

Programa Jovens Embaixadores abre inscrições para Ensino Médio

Imagem noticia mais lida

Direcionado a jovens de 15 a 18 anos que estejam cursando o Ensino Médio na rede pública.

Mec abre Cursos Gratuitos On-line

Imagem noticia mais lida

Destaques: libras, inglês e espanhol, desenhista da construção civil, auxiliar de farmácia, recepcionista

14 livros de Paulo Freire em PDF para download

Imagem noticia mais lida

Paulo Freire (1921 – 1997) foi um educador, pedagogo e filósofo brasileiro.

Ministério da Educação abre 1126 vagas em especialização gratuita a distância

Imagem noticia mais lida

As inscrições seguem até o dia 12 de fevereiro, às 17h.