Sentimento de um desempregado

(Joel A. Pontin)

O que pode ser mais triste

Que a própria tristeza que se abate sobre os já abatidos

Que não tem do que se nutrir, senão da esperança

Que cega os olhos e ensurdece os ouvidos

E, por fim, tirá-lhe o paladar, tornando a vida insípida

Sem graça

Não restando a alternativa de crer em algo

Alguém  quem sabe

Que lhe faça acreditar

Que vale a pena viver

De esperança

De esperança morrer

Para quem sabe viver